Como deixar de julgar os outros

Importante avaliar a inabilidade em julgar os semelhantes, afastando-se de qualquer sentimento de superioridade prepotente e irreal.

1,497 views   |   2 shares
  • Quando nos sentirmos aptos para julgar quem quer que seja, bom pensar nesta citação de G. Eliot: "Para julgar sabiamente suponho que devemos saber como pa­recem as coisas aos que não são sábios". Afinal, se fôssemos mesmo conhecedores da verdade seríamos os mais indicados a entender o pensamento e as razões dos outros. Mas o fato é que, como qualquer ser humano, somos falíveis e não estamos em condições de acusar ninguém.

  • Para afastar qualquer dúvida da nossa inabilidade para julgar observemos os seguintes itens:

  • 1- Formar opinião

  • Muitas pessoas alegam que julgar é natural, pois é um processo de avaliação do ato alheio que acontece mentalmente. Isso é real, até porque esse tipo de julgamento acontece de forma espontânea; nesse sentido é muito interessante para formar opiniões próprias que facilitem o proceder na vida. Vejamos que, nesse caso, não há a intenção de acusar, humilhar ou prejudicar o outro, e sim de fazer uma análise do que seria bom ou ruim para a própria vida. Lembremos que esse tipo de apreciação é de foro íntimo, portanto não existe a necessidade de comentarmos sobre isso, o que configuraria condenação do ato alheio.

  • 2- Ignorância das razões ocultas

  • Cada pessoa é um universo à parte e por mais que convivamos intimamente não a conhecemos, aliás, temos grandes dificuldades inclusive de conhecer a nós mesmos. Assim, diante de um ato alheio que consideramos errado é melhor nos furtarmos de condená-lo, lembrando que não conhecemos todo o contexto da situação e/ou a maneira como o outro vive e sente aquilo. Por trás da atitude que consideramos descabida comumente existe uma gama de sentimentos envolvidos, de razões escondidas e, quase sempre, de muita dor e sofrimento.

  • 3- Natureza compassiva

  • No livro "Comunicação Não Violenta" de Marshall B. Rosenberg encontramos um profundo estudo sobre a natureza compassiva do ser humano: "Quando nos concentramos em tornar mais claro o que o outro está observando, sentindo e necessitando em vez de diagnosticar e julgar, descobrimos a profundidade da nossa própria compaixão". A compaixão é muito diferente do sentimento de pena. Compadecer-se de alguém é preocupar-se com ele; é desejar-lhe o melhor pelo simples fato de reconhecer que todo mundo tem direito à felicidade. Desenvolvendo nossa natureza compassiva nos afastamos de qualquer tendência ao julgamento e nos colocamos a trabalhar pelo bem de todos.

  • Advertisement
  • 4- O olho de quem vê

  • Existe um ditado popular que diz: "Quando ouço Pedro falar de Paulo sei muito mais de Pedro do que de Paulo". Claro, porque quando falamos mostramos a nossa própria interpretação das atitudes do outro, o que nem sempre corresponderá ao que o outro fez ou desejou fazer. Dessa forma, ao condenarmos alguém estamos condenando a nós próprios; estamos enxergando defeitos que conhecemos muito bem e, não raras vezes, agimos assim para acobertá-los em nós mesmos. A energia que gastamos a apontar um erro alheio seria mais bem utilizada se a direcionássemos para observar e corrigir as nossas próprias falhas.

  • Jean Molière escreveu que: "Deveríamos olhar demoradamente para nós próprios antes de pensarmos em julgar os outros". Isso é sábio!

Quer histórias inspiradoras e edificantes na sua caixa de entrada?

Compartilhe o resultado com seus amigos...

Mediadora de Conflitos, educadora com MBA em Gestão Estratégica de Pessoas, apresentadora do programa Deixa Disso com dicas de relacionamentos. Dois livros publicados: “Uma fênix em Praga” e “Mediando Conflitos no Relacionamento a Dois”.

Website: https://www.youtube.com/user/SuelyBuriasco

Como deixar de julgar os outros

Importante avaliar a inabilidade em julgar os semelhantes, afastando-se de qualquer sentimento de superioridade prepotente e irreal.
Advertisement
Compartilhe conosco sua opinião
 

Agradecemos você ter se inscrito em nossa lista de e-mails. Por favor, aproveite os últimos artigos.

tumblr