O erro que todos os pais cometem, não importa a idade do filho

Nós todos fizemos isso, e "isso" é não deixar nossos filhos aprenderem a processar suas próprias emoções. É hora de fazer uma mudança.

9,534 views   |   80 shares
  • Bebês choram. Todos sabem disso. Nosso pediatra da família diz que "chorar é igual a respirar", então quando os ouço chorar, considero uma boa notícia. O que não percebi completamente antes de ter meus próprios filhos, no entanto, é que algumas crianças choram mais que outras. Há muitas teorias a respeito do porquê, mas quando você está cansado, as teorias não são muito úteis para pôr um fim à "boa notícia" que vem do outro quarto.

  • Meu primeiro filho era um daqueles bebês que choram muito e, para meu desespero, eu não conseguia entender a razão. Eu tentava alimentação, mudar as fraldas, arrotar, balançar... Mas não importa o que eu tentasse, ele queria chorar. Risca isso. Ele queria gritar. Quanto mais eu tentava acalmá-lo, mais ele gritava até que eu finalmente tinha que deixá-lo sozinho em seu berço e entrar no chuveiro para acalmar meus nervos.

  • À medida que meu bebê crescia, suas explosões começaram a parecer diferentes, mas os gatilhos de raiva permaneceram indescritivelmente sem remédios claros. Quando criança, ele chorava até vomitar. Quando ele tinha 6 anos, o choro foi muitas vezes substituído por mau-humor geral e insatisfação pela vida.

  • Ele odiava ir ao parque porque estava muito quente e seus pés doíam de andar ao redor. Ele não queria ir ao cinema - nunca. Ele não gostava da praia por causa da areia, e comer em restaurantes foi a última tortura para ele. Na escola, ele temia cometer erros e se preocupava com a possibilidade de não me ver na saída.

  • Como sua mãe, eu acreditava que era meu trabalho ajudar meu filho a ser feliz, ensiná-lo a ser grato por sua vida abençoada, e ajudá-lo a não ter medo. Eu tinha certeza de que viver em tanta tristeza deve ser horrível, e isso me deixou frustrada e triste por meu filho. Certamente, seria bom para ele mudar, e era meu trabalho mudá-lo.

  • Eu perdia a paciência com ele e me pegava falando sobre a importância de escolher a felicidade. Às vezes, eu tentava convencê-lo a não ter medo, explicando como seus medos eram injustificados. Não deu certo. Todo o treinamento de vendas que eu tivera não fez nada para me ajudar a vender ao meu filho como ser feliz. Eu estava exausta, frustrada e triste.

  • Eu tinha lido inúmeros livros sobre educar os filhos e encontrei sabedoria em muitos deles, mas foi quando comecei minha formação como Coach que descobri o que fazer sobre o meu filho infeliz. Era a mesma coisa que sempre tinha funcionado - a mesma coisa que eu tinha feito quando ele era um recém-nascido. Eu precisava primeiro deixá-lo sozinho em seu berço para "chorar", e em segundo lugar entrar no chuveiro para que eu pudesse me sentir bem de qualquer maneira.

  • Advertisement
  • Permita que seu filho "chore"

  • Em vez de tentar convencer meu filho a ser feliz, aprendi que a melhor coisa a fazer é permitir-lhe sentir o que está sentindo e dar-lhe espaço. Muitos adultos não sabem como processar emoções negativas. Nós só sabemos como resistir e evitá-las - e não é de admirar. Desde o início, os adultos ao nosso redor nos ensinaram (assim como eu estava ensinando meu filho) que sentir-se feliz é melhor e devemos resistir a sentirmo-nos tristes, frustrados ou com medo. A verdade é que não há nada de errado em sentir emoções negativas. Na verdade, resistir a elas é mais doloroso do que simplesmente se permitir processá-las. Alguns especialistas sugerem mesmo que a resistência à emoção negativa acabe por levar à depressão.

  • Quando meu filho está com raiva porque estamos indo para o rio em um sábado ensolarado para caminhar ao redor, agora permito que ele fique com raiva. Não tento convencê-lo. Digo-lhe que estamos indo para o rio e ele pode sentir o que quiser sobre isso - eu o amo não importa o que ele sinta ou faça. Então, todos nós entramos no carro e vamos.

  • Eu também permito que meu filho tenha medo se ele sentir medo. Acredito, talvez, que há momentos em que ele deveria estar assustado. Talvez eu não saiba as razões porque, mas sei que se eu ensiná-lo a resistir a seus medos, ele vai passar a vida inteira incapaz de processá-los - assim como muitos dos adultos com quem trabalho agora. Então, lembro ao meu filho que sempre o encontrarei depois da escola, e explico que os erros são permitidos, e sempre digo que ele pode sentir medo enquanto precisar, e então o lembro de novo do quanto eu o amo.

  • Permita-se sentir bem de qualquer maneira

  • Finalmente percebi que estou no comando de minhas próprias emoções. Decidi que, enquanto sempre espero que meu filho experimente tanta alegria em sua vida quanto puder, sua atitude não define meu próprio bem-estar emocional. Na verdade, colocar meu filho no comando de meus sentimentos só aumentará sua luta para entender o que ele está sentindo. Meu filho pode ser mal-humorado, e eu ainda posso ser feliz - se escolher sê-lo.

  • Quando assumi a responsabilidade por minhas próprias emoções, decidi que não queria me sentir frustrada ou muito preocupada com meu filho. Eu queria sentir amor e paz, e embora eu ainda não seja perfeita nisso, posso fazê-lo na maioria das vezes. Quando sinto a frustração crescer, me pergunto: "Por que você precisa dele ser feliz para você ser feliz? Ele é uma criança. Você é o adulto." Eu rio agora na ironia do fato de ser necessário que meu filho sinta algo que eu não estava escolhendo sentir. Eu culpei seu comportamento por meu mau-humor e ele culpou seu mau-humor por outras coisas. No final, nós dois estávamos infelizes - a diferença era que eu deveria ter tido a maturidade emocional para perceber isso.

  • Advertisement
  • Meu filho tem agora 9 anos e ainda é o que eu considero "do contra". Demora muito para ficar animado e não muito para ficar desapontado ou mal-humorado. Mas nos últimos dois anos desde que eu mudei minha abordagem, vi a resiliência e a confiança de meu filho se multiplicarem. Ele tem um senso de humor pateta. Age de maneira boba com os irmãos. Ele é um mestre do ioiô e adora treinar Taekwondo. E então, alguns dias, ele fica mal-humorado sem motivo aparente - mas eu não faço isso significar que algo está errado. Esta é a jornada do meu filho, e eu estarei aqui com ele durante todo o caminho. Nosso relacionamento evoluiu da frustração e desapontamento para o respeito mútuo e amor incondicional. Não é perfeito, mas é tranquilo.

  • Traduzido e adaptado por Stael Pedrosa do original The mistake every parent makes, no matter how old the child.

Quer histórias inspiradoras e edificantes na sua caixa de entrada?

Compartilhe em um segundo!

Jody is a Life Coach at Bold New Mom. She helps women understand how to manage their thinking and emotions to create the results they want for themselves, their families and their lives. http://www.boldnewmom.com

Website: http://www.boldnewmom.com

O erro que todos os pais cometem, não importa a idade do filho

Nós todos fizemos isso, e "isso" é não deixar nossos filhos aprenderem a processar suas próprias emoções. É hora de fazer uma mudança.
Advertisement
Compartilhe conosco sua opinião
 

Agradecemos você ter se inscrito em nossa lista de e-mails. Por favor, aproveite os últimos artigos.

tumblr