Mulher é pressionada a fazer aborto, mas bebê sobrevive. 30 anos depois, mãe e filha se reencontram

A enfermeira ouviu o bebê de 900 gramas chorando no meio dos resíduos descartados, então ela decidiu salvar a menina e entregá-la para a adoção.

41,545 views   |   96 shares
  • Desde pequena, a norte-americana Melissa Ohden, de 39 anos, soube que era filha adotiva e havia nascido prematuramente (de quatro meses). Ela contou à CBN: "Eu sabia que era muito doente e minúscula, e os médicos não tinham um ótimo prognóstico para a minha vida. Eu não tive muitas perguntas sobre o período em que eu crescia, porque isso não importava para mim, já que eu era saudável. Eu viva em uma ótima casa. Era amada, e a vida era boa".

  • #melissaohden #sheisasurviver #shesurviedanabortion #trueinspiration

    A post shared by Galena Students For Life (@ghs_life) on

  • Advertisement
  • Ela jamais poderia imaginar em que circunstâncias viera ao mundo

  • Aos 14 anos de idade, Melissa descobriu a verdade devastadora sobre seu passado. Naquela época, sua irmã mais velha tinha engravidado sem estar casada com o pai da criança e estava cogitando fazer um aborto. Na intenção de tirar aquela ideia da cabeça da filha, a mãe delas, Linda, acabou revelando, meio que sem querer, as circunstâncias em que Melissa viera ao mundo: ela era uma sobrevivente de uma tentativa fracassada de aborto.

  • Segundo a CBN, em 1978, a jovem mãe procurou uma clínica de aborto a fim de "resolver seu problema". Porém, algo no procedimento deu "errado". "Quando o procedimento terminou, uma enfermeira [foto abaixo] ouviu o bebê de 900 gramas chorando de [onde estavam] os resíduos descartados." Ela decidiu salvar a menina e entregá-la para a adoção.

  • Ela sobreviveu a um método de aborto extremamente cruel

  • O método usado para abortá-la foi por infusão de solução salina - substância injetada por meio de uma agulha comprida direto no líquido amniótico. Segundo este artigo acadêmico, "o bebê ingere esta solução que lhe causará a morte por envenenamento, desidratação, hemorragia do cérebro e de outros órgãos". Na verdade, esse método queima o corpo do bebê por dentro e por fora, até que seja expelido do útero.

  • Milagrosamente, a menina saiu viva daquela situação inimaginável e recuperou-se completamente. Ela teve uma infância normal, até a verdade vir à tona.

  • I came across this photo of me tonight. I was 25 days old and had made it up to 2 pounds, 10 ounces.

    Posted by Melissa Ohden on Sunday, March 13, 2016
  • Advertisement
  • Melissa não suportou a dura realidade

  • Que pessoa, no auge da adolescência, conseguiria lidar bem com a notícia de que tentaram matá-la em uma situação de completa fragilidade? Ela contou que não queria que ninguém soubesse o quanto estava sofrendo. Diante de uma miscelânea de sentimentos difíceis de digerir, ela entregou-se ao que chamou de "trindade maldita": álcool, sexo e bulimia.

  • Mas, havia um futuro completamente diferente reservado para ela

  • Ela já havia sobrevivido àquela circunstância extrema, não deveria destruir sua vida de outras maneiras. Ela disse a si mesma que aquela pessoa que estava se tornando não era ela. Então, decidiu parar de fazer aquilo. Dia após dia, ela acordava e dizia a si mesma: "Quer saber, eu não vou fazer isso hoje". Foi assim, e com a ajuda de Deus - coisa que ela faz questão de evidenciar - que ela conseguiu dar a volta por cima.

  • "De quem é o sangue que corre em minhas veias?"

  • Embora tivesse sido rejeitada, Melissa queria, a todo custo, conhecer seus pais biológicos. Nos 16 anos seguintes, ela se empenhou em descobrir a identidade deles e seu paradeiro. Ela ficou sabendo que seu pai já havia morrido. Ao localizar seus avós maternos, eles acharam melhor que ela não procurasse a mãe, ainda assim, enviaram algumas fotos suas para ela.

  • Ao olhar as fotos da mãe, ela ficou surpresa ao não conseguir enxergar nada de si mesma nela. Ela sentiu-se grata por isso, pois sabia que Deus a havia feito única e com um propósito especial.

  • Ironia do destino

  • Melissa casou-se de deu à luz uma menina no mesmo hospital em que quase teve sua vida ceifada. Antes, ela sentia uma enorme angústia ao passar em frente àquele hospital. Agora, passa em frente àquele lugar "de cabeça erguida, porque ele guarda as mais lindas lembranças que tenho nesta vida. Não há maior dom, creio eu, do que uma mulher poder dar vida a uma criança", disse.

  • Advertisement
  • O tão esperado encontro

  • Melissa não seguiu o conselho dos avós, mas preparou, pacientemente, o caminho para o grande encontro com sua mãe. Ela descobriu que sua mãe tinha engravidado aos 19 anos, quando estava na faculdade, e foi pressionada a abortar. E, por mais de 30 anos, ninguém jamais disse a ela que Melissa havia sobrevivido. Sua mãe ficou tremendamente surpresa e emocionada ao descobrir que sua filha havia sobrevivido, depois de todos esses anos sentindo-se culpada pelo que fez.

  • Durante alguns meses, elas mantiveram contato apenas à distância, período muito importante para que pudessem se conhecer melhor e criar um vínculo, antes do primeiro contato pessoal.

  • Finalmente, chegou o grande dia. Melissa estava muito empolgada, muito mais pela mãe do que por ela mesma. "Nunca esquecerei o momento em que a vi e nos abraçamos", conta. "Foi tudo o que eu poderia esperar e muito mais".

  • A mãe de Melissa certamente tirou um fardo enorme dos ombros. Primeiro, por saber que sua filha não havia morrido, e também por saber que ela a havia perdoado completamente. Melissa disse que sempre amou sua mãe biológica e esse amor vem crescendo gradualmente.

  • Outros casos de abortos que deram errado

  • Os ativistas pró-aborto não gostam de admitir, mas existem possibilidades de o aborto fracassar. E Melissa não é a única que sobreviveu para contar a história.

  • Ela tornou-se uma ativista pró-vida. Entre outros projetos, ela criou o site The Abortion Survivors Network, uma rede que coleta e divulga o testemunho de outros sobreviventes de aborto.

  • Este artigo relata outros 9 casos famosos de pessoas que sobreviveram a esse procedimento cruel.

  • Advertisement
  • O vídeo abaixo contém uma entrevista com Melissa Ohden

Quer histórias inspiradoras e edificantes na sua caixa de entrada?

Se gostou, compartilhe o artigo...

Erika Strassburger mora no Rio Grande do Sul, tem bacharelado em Administração de Empresas, escreve e traduz artigos para o site Família, é cristã SUD, pintora amadora de telas a óleo e mãe de três lindos guris, o mais velho com Síndrome de Down.

Website: http://erikastrassburger.blogspot.com.br/

Mulher é pressionada a fazer aborto, mas bebê sobrevive. 30 anos depois, mãe e filha se reencontram

A enfermeira ouviu o bebê de 900 gramas chorando no meio dos resíduos descartados, então ela decidiu salvar a menina e entregá-la para a adoção.
Advertisement
Compartilhe conosco sua opinião
 

Agradecemos você ter se inscrito em nossa lista de e-mails. Por favor, aproveite os últimos artigos.

tumblr