Divórcio: A presença de um pai é sempre necessária

A separação por si só já representa grande abalo na vida dos filhos, privá-los da presença paterna é um erro com consequências imensuráveis.

1,263 views   |   4 shares
  • O fim de um casamento é traumático tanto para o casal, como para toda a família, especialmente os filhos. Se a relação realmente acabou o melhor a fazer é buscar um divórcio amigável que proteja todos de maiores sofrimentos. O grande problema é quando isso não acontece e os filhos presenciam uma verdadeira guerra entre os pais.

  • No livro "Pais e Filhos - Companheiros de Viagem", Roberto Shinyashiki trata do assunto da seguinte forma: "Sem dúvida, o melhor para a criança é a família unida à procura de soluções. Mesmo para as crianças, porém, é melhor ter pais separados e felizes do que juntos, torturando-se com brigas, choro, angústia e ela no meio do tiroteio".

  • A presença paterna

  • Por maiores que sejam os motivos que levaram à separação é fundamental que os pais entendam que os filhos precisam da presença dos dois. Embora isso esteja mudando, ainda o mais comum é que os filhos fiquem com a mãe no processo do divórcio. Nesse caso é fundamental que a mãe compreenda que a presença do pai é muito importante para o desenvolvimento do filho e que, portanto, eles precisam manter a convivência. Claro que as necessidades mudam dependendo da idade; afinal, existe diferença entre compreender o divórcio, notar que os pais não estão mais juntos e, fundamentalmente, que eles estão sofrendo. Mas o fato é que sempre será uma ruptura importante que merece cuidado e de alguma forma o filho sempre precisa do pai.

  • O canal do diálogo

  • Passado os primeiros tempos da separação, quase sempre marcados pela falta de entendimento dos ex-cônjuges, chega o momento em que eles precisam manter um mínimo de diálogo. Pessoas movidas por emoções rancorosas dificultam ainda mais o que já é sofrido para todos fechando-se para o entendimento. Shinyashiki afirma ainda que é muito importante que compreendam que "O canal do diálogo deve sempre estar aberto, pois, apesar de o casamento ter acabado, a relação continuará sempre como pais dos filhos". Pai e mãe precisam conversar para amenizar as dificuldades do filho com a adaptação na nova vida. É realmente importante que isso aconteça, pois do contrário, é comum que os pais passem a usar os filhos como canal de comunicação, o que provoca maior sofrimento a eles.

  • A importância da figura paterna

  • Autor do livro “Pai Presente”, o psicanalista José Inácio Parente, relata que a paternidade é algo essencial para a masculinidade. Segundo ele: “Ser pai acrescenta. Antes, o pai não tinha essa relação de proximidade com o filho, não se sentia tão à vontade, não sabia a importância que tinha”. Hoje é indiscutível a importância da figura paterna no desenvolvimento sadio do filho. Isso não quer dizer que crianças criadas somente pela mãe apresentarão necessariamente problemas emocionais. O que realmente prejudica é a ausência imposta da figura do pai que antes da separação era uma presença constante e sadia.

  • Advertisement
  • O essencial é que pai e mãe compreendam que cada um tem um papel definido na vida do filho e que ambos são relevantes para a estrutura emocional dos filhos.

Quer histórias inspiradoras e edificantes na sua caixa de entrada?

Compartilhe em um segundo!

Mediadora de Conflitos, educadora com MBA em Gestão Estratégica de Pessoas, apresentadora do programa Deixa Disso com dicas de relacionamentos. Dois livros publicados: “Uma fênix em Praga” e “Mediando Conflitos no Relacionamento a Dois”.

Website: https://www.youtube.com/user/SuelyBuriasco

Divórcio: A presença de um pai é sempre necessária

A separação por si só já representa grande abalo na vida dos filhos, privá-los da presença paterna é um erro com consequências imensuráveis.
Advertisement
Compartilhe conosco sua opinião
 

Agradecemos você ter se inscrito em nossa lista de e-mails. Por favor, aproveite os últimos artigos.

tumblr