Marido ruim não é sinônimo de pai ruim

É importante saber diferenciar isso, especialmente depois de um divórcio. Marido e pai são coisas distintas.

1,902 views   |   4 shares
  • Em várias ocasiões ouvi mães se referirem a seus ex e novos relacionamentos de forma depreciativa. É muito chato quando não escondem tal desprezo nem mesmo na presença dos filhos, e estendem esse mesmo desprezo para os novos filhos de seus ex, sem querer aceitar - gostando ou não - que esta nova parceira, e esse novo pequeno ou pequena são parte da vida e família de nossos filhos.

  • Rejeitar essa realidade e ensiná-los a fazer o mesmo, como nós, é trazer para a vida de nossos filhos sentimentos negativos como ressentimento, desprezo, resistência às mudanças, perda da capacidade de ver o lado positivo, e em geral, faz com que repudiem seu ambiente.

  • Ninguém disse que é fácil aceitar que a pessoa que um dia amamos, agora está reconstruindo sua vida longe de nós. Não só não é fácil: é desagradável, e é ainda mais complicado quando, por ser pai de nossos filhos, não podemos simplesmente tirá-lo de nossa vida.

  • Mas para nossa saúde mental e de seus filhos, é importante aceitar que se alguém já não é mais feliz ao nosso lado o mais saudável é seguir nosso caminho. Não é justo darmos nosso amor e tempo a quem já não tem mais a capacidade de valorizar e desfrutar deles, nem forçar a outra pessoa a resignar-se com uma situação que não deseja mais para sua vida.

  • Mas é igualmente importante não perder de vista que nossos filhos precisam de pai e mãe para ter uma vida plena, é por isso que os pais que se separam não devem nunca fazer com que suas crianças façam o mesmo. Marido e pai são coisas distintas. Você acha que está falando mal de seu ex, mas ao olhar de seus filhos você está falando mal do pai deles.

  • E isso nos torna seres egoístas e cruéis com aqueles que mais amamos e aos quais somos obrigados a prover um ambiente saudável física e mentalmente, onde a harmonia, segurança e amor sejam constantes, e onde o ressentimento e o abandono não estejam presentes.

  • Se acharmos que é demais lidar com nossos sentimentos sem o calor do orgulho ferido, o abandono e a confusão, há dois passos que devemos tomar. O primeiro é aceitar que precisamos de ajuda. O segundo é procurar essa ajuda, pois disso depende que curemos a dor, para não cair no caminho fácil de envenenar os sentimentos de nossos filhos.

  • Não fazer isso culminará em traumas desnecessários, ressentimentos de outros que vão tornar-se próprios e a ruptura de laços que vão além das relações de casal e que portanto não devem ser misturadas. Se alguma vez os filhos tiverem que julgar a seu pai que seja pelo papel que desempenhou em suas vidas e não por opiniões expressadas por outros no calor da dor e frustração de terceiros.

  • Advertisement
  • E independentemente do que sentimos, ensinar aos nossos filhos a ver o lado positivo tornará as coisas mais fáceis para eles. É claro que tanto para eles como para nós é uma situação dolorosa, mas somar à sua dor a nossa dor só torna mais difícil para eles lidarem com seus próprios sentimentos.

  • Algumas coisas que podemos fazer são:

    • Deixar claro que eles não são os culpados pela separação.

    • Papai e mamãe vão amá-los sempre.

    • Novos membros na família significam apenas mais pessoas para amar e para amar a eles.

    • Não referir aos outros filhos como meios-irmãos, isso só fará com que sintam que não são irmãos de verdade nem uma família de verdade.

    • Não interrogar as crianças sobre a vida privada de seu ex.

    • Não brigar na presença dos filhos.

    • Ser flexíveis e negociar.

    • Não falar mal de seu ex e/ou sua nova família.

    • Dedicar tempo a cada um deles individualmente.

    • Permitir que os filhos expressem seus sentimentos sem julgá-los ou limitá-los, mas não permitir que sintam pena de sua vida.

    • Não fazer com que se sintam culpados quando estiverem com o outro progenitor.

  • Esses conselhos são apenas isso, e não significa que irão resolver todos os problemas, mas definitivamente não irá piorá-los, e apesar de sermos apenas um lado da moeda, ao menos poderemos ter a tranquilidade de que como mães estamos fazendo o necessário para o bem-estar de nossos filhos.

  • Traduzido e adaptado por Sarah Pierina do original Mal esposo no es sinónimo de mal padre, de Yordanka Pérez.

Quer histórias inspiradoras e edificantes na sua caixa de entrada?

Se gostou, compartilhe o artigo...

Yordanka Pérez Giraldo, Cubana de nacimiento, mexicana por opção.

Marido ruim não é sinônimo de pai ruim

É importante saber diferenciar isso, especialmente depois de um divórcio. Marido e pai são coisas distintas.
Advertisement
Compartilhe conosco sua opinião
 

Agradecemos você ter se inscrito em nossa lista de e-mails. Por favor, aproveite os últimos artigos.

tumblr