Eu nunca pensei que quisesse filhos, mas eu nasci para ser mãe

Crianças nunca foram realmente o meu forte. Eu não brincava de bonecas nem era babá e minha pior nota foi em Administração do Lar.

3,432 views   |   4 shares
  • Este artigo foi publicado originalmente no blog MomExploresMichigan. Foi republicado com permissão da autora Brooke Romney. Traduzido e adaptado por Sarah Pierina.

  • Crianças nunca foram realmente o meu forte. Eu não brincava de bonecas nem fui babá e minha pior nota foi em Administração do Lar.

  • Quando conheci minha sogra, eu constantemente dizia a ela que estava pensando em cursar faculdade de Direito, que amava livros e dança, odiava cozinhar e limpar, e não tinha certeza se eu queria ter filhos.

  • O que vocês acham disso como uma primeira impressão para uma mãe e dona de casa?

  • Eu pensei que talvez eu me sentiria diferente depois que nos casássemos. Não! Crianças eram bonitinhas, mas elas atrapalhariam nosso estilo livre extravagante, controlar nossas conversas, e limitar nossa diversão. Quando morávamos em Virginia, a maioria de nossos amigos tinha filhos, e Mike sempre carregava gentilmente meninas recém nascidas e brincava de lutinha com os meninos pequenos. Eu achava ele incrível e não acreditava na minha sorte em ter um cara como ele, mas no final do dia, eu ficava tão feliz por um pouco de liberdade de todas as birras e manhas. O que havia de errado comigo?

  • Imagine minha surpresa quando depois de apenas 2 anos de casados e, enquanto eu trabalhava na prefeitura, eu senti que deveria engravidar. Mike ficou chocado, mas disposto. Eu respirei fundo e segui o meu instinto. Após 8 meses, eu descobri que estava grávida. Mike estava no Haiti e incomunicável, então meu dentista foi a primeira pessoa a saber. Tão romântico...

  • Nosso bebê nasceu em uma noite fria de Fevereiro e, quando seu corpo que se contorcia foi levado até mim, nosso vínculo foi instantâneo e inabalável. Eu era oficialmente uma mãe. Em um breve momento, tudo tinha mudado.

  • 10 motivos curiosos para você amar estar grávida
  • Meu amor por ele era perfeito, mas a minha técnica deixava a desejar. Quando eu trocava sua fralda não se parecia nem um pouco com a primeira trouxinha firme que as enfermeiras colocaram nele. Eu não conseguia, por mais que eu tentasse, entender as técnicas de enrolar o bebê em panos. Eu fiz Mike fazê-lo para que ninguém pensasse que eu era incompetente. Na primeira noite, meu doce bebê chorou, sem parar, por 3 horas em nosso quarto. Todos vieram em seu auxílio, mas sem sucesso. Nada ajudou. Ele finalmente desistiu e adormeceu nos meus braços. Durante essas três horas eu percebi que eu faria absolutamente qualquer coisa para proteger meu bebê e mantê-lo feliz e saudável. Qualquer coisa! Esse sentimento era novo, súbito e poderoso. Foi a maternidade.

  • Advertisement
  • Quando minha mãe entrou pela porta do hospital, eu fiquei tão aliviada! Meu reforço tinha chegado! Ela cuidou de todos nós por 10 dias, parecendo tão natural e competente enquanto dava banho e trocava nosso bebê, tudo isso enquanto preparava o jantar e aspirava o chão. Ela fez parecer tão fácil. Quando ela foi embora, eu pensei que estava pegando o jeito das coisas.

  • Eu estava errada. Depois de deixá-la no aeroporto, eu fui para a estrada com lágrimas nos meus olhos. Meu bebê começou a chorar, bem alto, no banco de trás. Eu tive que parar no acostamento, porque eu já não conseguia mais ver através das minhas lágrimas ou respirar através dos meus suspiros. Nós dois nos sentamos chorando juntos no carro, os dois certamente se perguntando no que havíamos nos metido e como alguém pensou que podíamos ficar sozinhos um com o outro. Eu ficava repetindo de novo e de novo: "Me desculpa querido, eu não sei o que fazer!"

  • Eu tirei o celular do meu porta-luvas e liguei para Mike, soando um tanto histérica. Ele ficou assustado, "O que aconteceu? Você está bem? O bebê está bem? Onde vocês estão?" Após um momento soluçando incontrolavelmente no celular, eu lhe disse que estava triste que minha mãe tinha ido embora e eu não sabia como ser uma mãe sem sua ajuda. Ele estava aliviado de uma forma e provavelmente preocupado em outra. Ele perguntou se precisava vir nos buscar. Eu disse a ele que conseguiria chegar em casa. Eu respirei, enxuguei os olhos e voltei para a estrada. Não seria a última vez que a maternidade, para mim, significou fingir e seguir em frente até que eu pudesse entender as coisas.

  • Foi um processo, mas a cada dia eu me tornei cada vez mais competente. Aprendi a amamentar sem me despir completamente, como trocar fraldas sem que ele fizesse xixi em mim e como fazer o jantar e cuidar de um bebê, tudo no mesmo dia. Eu até me tornei muito boa em sair de casa umas duas vezes por semana.

  • O início foi difícil, mas meu bebê e eu estávamos aprendendo juntos. Ele tinha cólicas e chorava mais do que qualquer outro bebê que eu já conheci. Estávamos longe da família, e eu tinha poucos amigos. Passamos horas lendo, dormindo, andando e assistindo mais canais de casa e família do que é considerado saudável. Meus dias pareciam durar uma eternidade. Eu olhava para o relógio e ainda eram apenas 11 horas da manhã e eu estava sem ideias, planos, e paciência. Quebrei a cabeça tentando lembrar de tudo que minha mãe fez e eu ligava para ela todos os dias com perguntas e atualizações. Tornei-me uma daquelas mulheres obcecadas com movimentos intestinais, percentuais de crescimento, e os horários de dormir, e eu de repente achei tudo isso incrivelmente fascinante.

  • Advertisement
  • A verdade sobre as mães: O papel insubstituível que somente as mães possuem
  • A imagem que eu estou descrevendo não parece muito legal, mas, apesar da realidade, eu amei. Foi difícil e chato e gratificante e surpreendente. Fiquei chocada todos os dias enquanto eu via meu bebê crescer e aprender e notei que eu também mudei. De repente eu estava mais altruísta, menos crítica, mais humilde, uma versão melhorada de mim mesma.

  • Ainda assim, eu tinha tanto para aprender. Peguei truques e dicas ao longo do caminho. Uma boa amiga minha era tão boa cuidando de seus filhos de 2 e 3 anos que eu me lembro de estudar a forma com ela fazia as coisas e tomava notas mentais para mais tarde. Lembro-me de me mudar para um bairro no Arizona com muitas mães donas de casa e me surpreender e ficar impressionada com tudo o que elas estavam realizando. Estas mulheres tinham 3 ou 4 ou 5 filhos e tinham casas limpas e decoradas. Elas faziam pão a partir do zero. Elas tinham jardins e árvores frutíferas e enlatavam suas colheitas extras. Elas treinavam equipes de esportes, corriam maratonas, ajudavam na tarefa de casa, costuravam travesseiros, eram voluntárias na escola, e ensinavam piano. Eu tinha um bebê e não conseguia nem levar as fraldas até o lixo do lado de fora. Meus talentos pareciam mais adequados para a força de trabalho. Às vezes, eu me perguntava o que é que eu estava fazendo em casa.

  • Mas, eu observei, e pratiquei. Eu tentei parar de comparar. Eu pedi a essas senhoras para me ensinar a fazer aquilo tudo. Mesmo depois de sua ajuda e lições pacientes, eu ainda era apenas medíocre na maioria das coisas, mas era melhor do que antes, e eu estava aprendendo a encontrar alegria em minha casa, mesmo com 3 meninos de 3 anos ou menos. Foi difícil também, muito, muito difícil. Dias que terminavam em lágrimas e às vezes dias começando em lágrimas. Semanas com muito pouco tempo para dormir e doença após doença, mas mesmo durante o ruim, ainda era tão bom.

  • Conforme meus meninos ficaram mais velhos, percebi que os talentos que eu antes não considerava "úteis" em um papel materno se mostraram particularmente úteis, coisas como paciência, criatividade, contar histórias, amar o ar livre, determinação, paixão por aprender, disposição para ouvir, e acima de tudo, a vontade de ser melhor para esses meninos que estavam contando comigo. Aqueles dias que pareciam infinitos agora voam enquanto eu tento agarrar mais um minuto em nossa vida apressada. Tudo está acontecendo rápido demais. Eu gostaria de ter um botão de pausa.

  • Advertisement
  • Aprendendo a amar incondicionalmente um filho que faz más escolhas
  • Eu nunca fui o tipo de pessoa que se sai bem com crianças, e eu certamente não sou a "mãe ideal", mas estamos muito bem tentando descobrir tudo juntos. Nós cometemos erros, nós perdoamos, nós tentamos novamente. Essa é a verdadeira beleza nisso tudo, não existe um caminho perfeito ou padrão para se tornar mãe. Ter filhos me deu uma desculpa e um desejo de ser mais corajosa do que eu jamais teria sido e me permitiu descobrir não apenas quem eles são, mas quem eu posso ser. Enquanto eu escrevo isso e olho para mim mesma há 12 anos, eu quase não reconheço aquela menina. Na verdade, quando eu digo às pessoas que eu nunca quis ter filhos, elas costumam exclamar: "De jeito nenhum! Você ama crianças!" E eu amo mesmo, agora.

  • Eu ainda me vejo como uma leitora, uma dançarina, uma escritora, uma mulher, uma esposa, e uma amiga, mas agora, acima de tudo, eu sou uma mãe.

Quer histórias inspiradoras e edificantes na sua caixa de entrada?

Clique abaixo para compartilhar

Brooke Romney writes Mom Explores Michigan, where she shares favorite travel destinations, great books, parenting ideas, food to eat and food for thought. She has a weakness for fall, sunshine, date night, nature, good reads, adventure, gummy candy and all things boy. After living in 5 states and 9 different cities, she now resides with her husband and 4 little men in Utah.

Website: http://momexploresmichigan.blogspot.com/

Eu nunca pensei que quisesse filhos, mas eu nasci para ser mãe

Crianças nunca foram realmente o meu forte. Eu não brincava de bonecas nem era babá e minha pior nota foi em Administração do Lar.
Advertisement
Compartilhe conosco sua opinião
 

Agradecemos você ter se inscrito em nossa lista de e-mails. Por favor, aproveite os últimos artigos.

tumblr