5 sinais claros de que você tem depressão pós-parto, mas ainda não percebeu

Não deixe que o medo de ser julgada (e seus conflitos internos) a impeçam de admitir que está com depressão e precisa de ajuda urgente.

31,702 views   |   103 shares
  • Depressão pós-parto é mais do que apenas estar sensível, chorosa e triste por alguns dias após o nascimento do filho (o famoso "Baby Blues", que afeta até 80% das mulheres). A DPP é uma doença séria que afeta de 10 a 15% das mulheres, de acordo com estatísticas americanas.

  • Em entrevista ao Dr. Dráuzio Varella, o médico psiquiatra Frederico Demetrio esclarece bem a diferença entre os dois quadros: "A tristeza pós-parto surge dois ou três dias depois de a mulher dar à luz, em cinco dias atinge o máximo e some em dez dias. A depressão instala-se lentamente; só de quatro a seis semanas depois do parto o quadro depressivo torna-se intenso. É uma doença que exige tratamento mais agressivo com medicamentos." A boa notícia é que o tratamento costuma dar resultados com a maioria das mulheres.

  • Fatores que podem levar à doença

  • Há uma série de fatores podem levar a mulher a desenvolver um quadro de depressão depois da chegada do bebê:

    • Grandes alterações nos níveis hormonais, inclusive nos níveis de hormônio da Tireoide.

    • Cansaço excessivo.

    • Insônia.

    • Sono interrompido.

    • Sentimento de inadequação ou incapacidade para lidar com o bebê.

    • Necessidade irrealista de ser uma mãe perfeita.

    • Sentir-se sobrecarregada.

    • Estresse causado por mudanças no trabalho e na rotina da casa.

    • Achar-se menos atraente.

    • Falta de tempo livre.

    • Falta de apoio familiar e conjugal.

    • Crise conjugal.

    • Quadros anteriores de depressão.

    • Dificuldade financeira.

    • Gravidez não planejada ou indesejada, entre outros.

  • Abaixo estão listados 5 SINAIS de ALERTA para a depressão pós-parto. Se você apresenta esses sintomas por mais de duas semanas, corra em busca de ajuda médica!

  • 1. Tristeza desproporcional

  • Você sente uma tristeza intensa e duradoura, que pode vir acompanhada de crises de choro.

  • 2. Desânimo e sentimento de incapacidade

  • Você não tem ânimo para sair de casa - muitas vezes, nem da cama. Não quer se arrumar nem tomar banho. Sua autoestima fica lá embaixo. Sente-se incapaz de realizar as tarefas mais simples, como dar banho no bebê, ir ao mercado e arrumar a casa. Só quer "desligar".

  • Advertisement
  • 3. Sono e alimentação desregulados

  • Você sente vontade de dormir o dia inteiro ou fica rolando na cama porque o sono não vem. Da mesma maneira, pode surgir uma fome incontrolável ou você simplesmente não tem vontade de comer. Essas alterações no sono e no apetite acabam provocando alterações no peso e na sua aparência, o que afetará ainda mais sua autoestima, além da sua saúde.

  • 4. Sentimento de raiva, rejeição e desinteresse pelo bebê - ou preocupação excessiva

  • Sentir raiva por ele não parar de chorar depois de ter feito tudo para acalmá-lo pode ser, até certo ponto, normal. Mas se a raiva for persistente e você não quer mais a criança por perto, não quer dar de mamar, não suporta mais ouvir seu choro, esse é um sinal preocupante.

  • Há também o outro lado da moeda. Você pode passar a ter uma preocupação excessiva com a criança, não quer deixá-la sozinha por um instante, pois tem medo de ela morrer. Se isso acabar afetando sua rotina e seu sono, é outro sinal de alerta.

  • 5. Pensamentos suicidas e, em alguns casos, homicidas

  • Sim, a depressão pós-parto, assim como outros tipos de depressão, faz com que a mulher sinta vontade de sumir, dar cabo da própria vida. Mas, algumas delas desejariam que seu bebê sumisse, como relatou a jornalista Fabiana para a Revista Glamour. "Procurei um psiquiatra, que me perguntou se eu achava minha vida melhor antes da gravidez e se já havia considerado sumir com meu filho, matá-lo mesmo. Respondi que sim pra tudo. O diagnóstico: estava com depressão pós-parto, e aquilo poderia evoluir pra uma psicose. Em poucas palavras: havia chance de eu fazer mal ao meu filho".

  • Preconceito

  • Ainda há muito preconceito em relação à depressão pós-parto. As pessoas pensam e dizem coisas como: "Como pode ficar desse jeito, parece ingratidão! Ela acabou de ter um filho lindo, com saúde, deveria estar feliz!". A jornalista citada acima disse que o comentário mais leve que ouviu de seus leitores foi "Você não merece ter útero!".

  • Muitas vezes, a própria mãe não quer admitir que está com depressão, talvez por preconceito, talvez por medo de decepcionar as outras pessoas; mas, na maioria das vezes, é atormentada pelo sentimento de culpa. O fato é que o preconceito só piora o problema. Uma mãe nessas condições precisa de compreensão, sobretudo de apoio.

  • Advertisement
  • Tratamento

  • O tratamento geralmente é feito com antidepressivos aliados a outras terapias. Essa mãe, blogueira, contou que seu psiquiatra receitou, além dos medicamentos, duas receitas simples que está ajudando muito na sua recuperação: sair sozinha com o marido pelo menos a cada 15 dias e praticar atividades físicas.

  • Segundo artigo publicado no Harvard Medical School, o exercício físico é um forte aliado no tratamento contra a depressão, e, dependendo do caso, é suficiente para tratar a doença. Mas há vários fatores que precisam ser avaliados antes de ser definido o tratamento, coisa que somente um profissional habilitado pode fazer.

  • Se você identificou alguns desses sinais, corra em busca de ajuda. Faça isso pelo seu próprio bem-estar e segurança, e, obviamente, pelo seu bebê. Pois, segundo este estudo, "o estado depressivo da mãe pode repercutir negativamente nas primeiras interações com o bebê e, consequentemente, no desenvolvimento da criança."

  • Abaixo estão outros artigos que poderão ajudá-la

Quer histórias inspiradoras e edificantes na sua caixa de entrada?

Leia o artigo, viva os ensinamentos e compartilhe!

Erika Strassburger mora no Rio Grande do Sul, tem bacharelado em Administração de Empresas, escreve e traduz artigos para o site Família, é cristã SUD, pintora amadora de telas a óleo e mãe de três lindos guris, o mais velho com Síndrome de Down.

Website: http://erikastrassburger.blogspot.com.br/

5 sinais claros de que você tem depressão pós-parto, mas ainda não percebeu

Não deixe que o medo de ser julgada (e seus conflitos internos) a impeçam de admitir que está com depressão e precisa de ajuda urgente.
Advertisement
Compartilhe conosco sua opinião
 

Agradecemos você ter se inscrito em nossa lista de e-mails. Por favor, aproveite os últimos artigos.

tumblr